Calendoscopiando a Alma!

"todo poema é uma aventura planificada" (C.L.)


Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 30 de julho de 2014

AMAR É DESPEDIDA




Se chegas me alegro,
Se ficas me esqueço,
Amar é despedida.
Te vejo pelas ruas,
Procuras por mim.

Ficaria horas admirando-te,
A dormir calada,
Sonhar, o tempo
Devaneios de romance,
Me pergunto, intriga:
Apressada vais de si?

Nessas horas, nesses dias,
Quando não estais aqui,
Sabes, te amo mais.
Sinto falta da minha parte
Levada em seus dedos,
Nos fios da blusa...
Onde habito em ti.

ADEUS



Prostituo os meus ouvidos
Acredito nas palavras
A audição me engana
O seu abraço falso
O gosto amargo do lábio
Meu paladar disfarçado

Corrompo o meu corpo
Entre o seu proibido
Deixo que leve-me
Em sua mala
Marionete usada
O tato que seduz
Por você segura

Os olhos...
Esses não se distraem
Os olhos, espelhos da alma
Neles confio
Se machucada
Passas por mim

Meu olhos me lembram
Vais vivendo Senhora
Por não poder morrer
Amor, onde estarás?
Habitas um corpo
Sem razão de existir.


COMBATENTE DE TI



Amar é combater
Combater toda dor,
O passado frustrado,
Os dias sem teu abraço,
As noites sem teu calor.

O medo de te perder
A angústia de me ver em ti
O perigo do desejo
Quando se mistura com o querer.

Saberia sobreviver
separando o prazer do amor,
Separando o coração da razão.
Mas como combater uma vida
onde ambas as sinas se juntam?

Ainda que longe,
Sem o seu sorriso
Para as minhas manhãs
Combato os meus sentidos
E me entrego a rotina
Sozinho em minha cama,
Posso enfim dar-me um tiro
Não quero pensar...

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Encontro



Ele é como um louco
Sempre tarde acorda
Gosta de falar do que não leu
Só para ver ela chateada

Eles se encontraram
Como quem não quer ver ninguém
Tarde se amaram
E vivem testando
O que dizem não ser amor

Ela desconhece a cor do seu passado
O que importa?
Ele é tão bizarro!
Isso é o que ela mais gosta
Entre anãs e os beijos calados...

Eles se despertam
Pernas entrelaçadas
Mais uma segunda chata!
Como sempre atrasados...

Na forma da Lei.



Naquela casa a vida acontece
De dia eles se cumprimentam 
A noite nem se conhecem
E insistem em dizer boa noite
Com um beijo sem gosto! 

É nessa casa onde a mágica floresce
A gata anda por onde ele desconhece
O menino chora
Logo sorri
Eles não suportam
Um presente na porta da ilusão.

Refeições silenciosas
Perfeita ordem 
Governanta de branco
Alvejante de alma
Ela sofre calada
Fecha a porta
Chora a sua solidão

Nessa casa de cores mórbidas
Ninguém fala nada
Em dias de chuva sorriem 
E em dias de sol também
Bem vindo a monogamia
Na forma da lei! 

O silêncio de amar



Não se dizem nada
Apenas seguem na dança da sensualidade
Nada que comprometa
Nada em que alguém se intrometa
Ou que possam soar as trombetas
Dos corações que amam em silêncio

Olham-se discretamente
Como se nunca andassem de mãos dadas
E as longas tardes de domingo
Vivessem isolados.
Um se encontra entre as pernas do outro
Silêncio!

É tudo sobre o não dito
E para eles nada importa
Em que porta?
Se deixam sorrisos
E se vestem as meias respostas
Dorme em paz meu bem!

O homem ilusório



Cheguei em casa
E agora como fugir?
De mim, dos monstros no armário,
Do passado velado em noites sofridas.

Mudei de bairro,
E agora como fugir?
Do senso de culpa
Da dor, da lamúria
Do esqueceram de mim.

Mudei  de cidade,
Sempre quis morar no mato!
E agora como fugir?
Dos escorpiões no sapato
Dos pernilongos no quarto
Esse povo calado,
Enlouqueci?

Mudei de país,
Agora novos ares!
E agora como fugir?
Troquei tudo,
Só não posso escapar
Da pele, da carne, da mente
Do que está por vir...
Socorro! É culpa dos outros!
O que fizeram de mim?

entre sem bater....

"Se o amanhã é um mistério, porque me preocupo tanto com o que ainda virá? É tão rara a calma de um olhar. Ao conversar com Deus, dobro os meus joelhos, sinto uma brisa suave. É onde encontro esta calma, este momento de alegria, que vai além de um instante, durará eternamente em mim." (Ana Catarina Braga)

Quem Vem de Lá?

Ela... Poesia concreta.. feita por mim... por nós... por quem surgir..."O que não sei dizer é mais importante do que o que eu digo." (Clarice Lispecto)